Ruta de La Muerte, Camino a Los Yungas, Death Road e Estrada da Morte são as famosas denominações para a célebre estrada mais perigosa do mundo.

 

Em 1930, durante a Guerra do Chaco, prisioneiros paraguaios construíram uma estrada que liga La Paz, na Bolívia, à região de Los Yungas, ao noroeste, chamada de Camino a Los Yungas. A estrada - tortuosa, íngreme e em um local de tempo imprevisível - ao longo dos anos provocou muitas mortes, o que lhe rendeu o apelido de Estrada da Morte, Death Road ou Ruta de La Muerte.

 

Um dos acidentes mais famosos ocorreu em 1983 quando um ônibus saiu da estrada e mais de 100 pessoas perderam a vida. Em média, por ano, são registrados 209 acidentes com 96 mortes.

 

O que não se imaginava na época era que 60 anos depois, na década de 1990, o caminho se transformaria em atração turística, mais especificamente para aqueles que gostam de esportes de adrenalina. Em boa parte do ano, a Carretera de La Muerte é aproveitada pelos viajantes aventureiros, que fazem o famoso downhill - descida de bicicleta - na estrada mais perigosa do mundo.

Ruta de La Muerte

Death Road: La Carretera Más Peligrosa del Mundo

Hoje em dia, a estrada da morte tem mais fama do que perigo. Em 1996, foi inaugurada uma nova rodovia, mais ampla e segura. Por essa nova autopista passa a grande parte do tráfego boliviano. Desde a criação da nova rota que os índices de acidente diminuíram muito, uma vez que o fluxo de ônibus e caminhões reduziu consideravelmente.

 

Mas é sempre bom ficar atento, principalmente na hora de escolher qual agência contratar para fazer o passeio. As melhores são aquelas recomendadas por outros viajantes. Não economize com segurança.

 

O caminho é estreito, com curvas, pedras na pista, um penhasco de dar frio na barriga e baixa visibilidade. O que mais chama a atenção é a largura mínima - apenas 03 metros - e alta altitude - abismos com mais de 800 metros de profundidade - que torna qualquer tráfego nela arriscado. Não apresenta grades de segurança e ainda determinados elementos como poeira, chuva, lama e deslizamentos de rochas acrescentam um perigo maior durante o percurso.

La Paz

 

La Paz, capital da Bolívia, é capaz de tirar o fôlego dos desavisados, não só por sua localização geográfica - a cidade está a mais de 3.600 metros de altitude - mas também pelo que o visitante deve encontrar durante sua estadia no destino.

 

Localizada entre as imponentes montanhas das cordilheiras dos Andes, em pleno altiplano boliviano, o turista é capaz de esquecer o barulhento e caótico trânsito local quando surgem diante dos olhos monumentos erguidos bem antes da chegada dos incas. Ou ainda as imensas montanhas que circundam a cidade e fascinam os mais aventureiros, como o Monte Illimani, o guardião dessa cidade que, diga-se de passagem, é considerada a capital (administrativa) mais alta do mundo. Sua localização próxima às ruínas de Tiwanaku e ao lago Titicaca a torna um centro logístico importante para desbravar a região.

 

Onde Fiquei: Hospedei-me no Loki Hostel e adorei. Sugiro, indico e recomendo!

 

Dicas: Calle Linares (Calle de Las Brujas), Iglesia San Francisco, Mi Teleférico, Mirador Killi Killi, Museu da Coca.

 

Atividades Extras: Cavalgada, Cholitas Wrestling (luta livre de cholas), Escalada (Huayna Potosi), Escalada Urban Rush, Parapente, Quadriciclo, Trekking (Choro).

 

Pontos de Interesse: Chacaltaya, Copacabana (Lago Titicaca), Potosi Mines, Rurrenabaque (Tour a Las Pampas ou Tour a Selva), Tiwanaku, Valle de La Luna.

Para encarar a aventura, dois requisitos são fundamentais: saber andar de bicicleta e ter muito espírito aventureiro para descer os 3.500 metros que separam as duas cidades a uma velocidade que chega aos 50 KM/H. A sorte e a natureza se encarregam do resto.

 

O circuito começa no ponto mais alto nas proximidades de La Paz, em La Cumbre, aos pés da montanha Huyaina Potosí, a 4.700 metros de altitude e a 11 KM da caótica La Paz.

 

O perigo existe e é iminente, sobretudo em curvas extremamente fechadas que tiram todo o campo de visão de quem se aventura naquele terreno. Mas as agências contratadas costumam contar com profissionais que acompanham o comboio durante toda a viagem e que ajudam no transporte das bicicletas, explicação das rotas, possíveis resgates e primeiros socorros em casos de acidentes que, em alguns casos, chegam a ser fatais.

A descida é dividida em duas partes. Uma no asfalto e a outra em estrada de terra - parte antiga da Ruta de La Muerte. Ao final, chega-se a Yolosa - uma pequena vila ideal para descansar após tanta adrenalina e brindar a aventura com uma cerveja bem gelada. Depois, segue-se na van até um albergue em Coroico, onde há a opção de tomar um banho de piscina relaxante. O almoço é servido no local e mais tarde, retorna-se a La Paz.

Agências: Muitas realizam o passeio. As mais recomendadas são a Gravity e a Xtreme. Fui com a Coca Travels e adorei.

 

Altitude: La Cumbre = 4.700 / Yolosa = 1.200

 

Distância: 64 KM.

 

Duração: 07h30min às 20h00min, 22h00min. A descida dura em média 4 horas.

 

Valor: Entre 60 e 80 USD, depende do tipo da bicicleta + 25 BOB Ingresso ao Parque.

O Que Inclui: Transporte ida e volta, bicicleta com equipamentos (calça impermeável, jaqueta impermeável, luvas, joelheiras, cotoveleiras e capacete), água, café da manhã, lanche, almoço (buffet), piscina, DVD com fotos e vídeos, uma camiseta.

 

O que Vestir: Traje de banho, legging, camiseta, casacos, tênis (que possa molhar ou sujar), óculos escuros (para barrar o vento forte durante a descida).

 

O Que Levar: Roupa, chinelo, toalha, repelente, protetor solar, GoPro - se tiver.

Melhor Época: O inverno é frio, mas seco, e o verão mais quente, só que com mais chuvas. A época mais recomendada é de Abril a Novembro. De Dezembro a Março não é indicado por ser a época das chuvas. As noites são muito frias durante todo o ano devido à elevada altitude.

 

Alerta: Todo cuidado é pouco. Lembre-se que essa é a estrada mais perigosa do mundo!

 

Dica: Durante a descida sua mão vai ficar bem dolorida devido à trepidação. Afrouxar um pouco os dedos do guidão ajuda a absorver melhor os impactos.

Lembrete: Se tiver fôlego, algumas agências oferecem uma adrenalina extra logo após a descida, uma série de três tirolesas - uma delas chegando a 80 KM/H sobre o vale em Yolosa. É preciso agendar com antecedência.

 

Nota: O ciclista conta com, pelo menos, 12 paradas estratégicas para descanso, revisão das bicicletas e para registrar alguns cenários da bela paisagem.

 

Observação: O título de estrada mais perigosa do mundo foi dado pelo Banco Internacional de Desenvolvimento (BID), em 1995.

 

Sugestão: Pechinche!

La Paz - Cusco

 

Fui de La Paz a Cusco com a Bolivia Hop.

 

A saída de La Paz é pela manhã, às 07h00min, e a primeira parada é uma hora depois em um posto de gasolina, que tem uma loja de conveniência onde é possível comprar lanches para a longa viagem.

 

A parada seguinte é em Tiquina Mirador para apreciação da vista e fotografias.

 

Em seguida, há uma travessia de barco de 30 minutos.

 

Às 11h30min chega-se a Copacabana. Aproveite para almoçar e passear um pouco.

 

Às 13h00min a embarcação sai em direção à famosa Isla del Sol.

Quando ainda estava em Copacabana, eu descobri que estava indo para um lugar pensando que era outro. Durante o mochilão me atrasei em um dia, então tive que encurtar os planos. Ao invés de visitar a Isla del Sol, em Copacabana (Bolívia), e as Islas Flotantes de Los Uros, em Puno (Peru), tive que eleger uma delas, e optei pela Isla del Sol crente e abafando que tinha escolhido as Islas Flotantes, risos.

 

Resultado: a surpresa foi magnífica. Apaixonei-me perdidamente pela ínsula.

 

“Tudo começou há um tempo atrás na Ilha do Sol...”

Quando o barco se aproxima, há duas opções: descer na primeira parada e fazer uma trilha ou descer na segunda parada - onde todos devem se encontrar para retornar.

 

Como eu estava fugindo de toda e qualquer trilha, preferi descer na segunda parada, até porque a primeira era meio sem graça e eu já estava achando aquele passeio uma furada. Ledo engano. A segunda parada foi totalmente surpreendente, o lugar é incrível! Amei!

O retorno é impreterivelmente às 15h30min e a saída de Copacabana às 17h00min. Logo mais, todos devem passar pelas imigrações da Bolívia e do Peru. Às 20h00min chega-se a Puno, onde há uma parada para o jantar. Às 22h00min parte-se de Puno e chega-se a Cusco às 06h00min.

 

Valor: 39 USD Bolivia Hop + 10 USD Barco Isla del Sol + 05 BOB Ingresso Isla del Sol.

 

Observação: Há a opção de pernoitar na Isla del Sol e pegar o ônibus no dia seguinte, no horário estipulado, para dar continuidade à viagem. É possível fazer o mesmo em Puno. Aproveite!

É isso... Não deixem de descer de bicicleta na Estrada da Morte, La Paz - Bolivia, nem de pegar o ônibus da Bolivia Hop para chegar até Cusco.

La Paz
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte

Fazer o downhill na estrada da morte foi uma das experiências mais incríveis da minha vida! É uma aventura imperdível, indescritível e inesquecível! Um conselho: vá.

Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Ruta de La Muerte
Isla del Sol
Isla del Sol
Isla del Sol
Isla del Sol
Isla del Sol
Lago Titicaca
Lago Titicaca
Ruta de La Muerte

Espero que tenham gostado... Boa viagem e até a próxima!

Ruta de La Muerte