Cusco é uma cidade situada no sudeste do Valle de Huatanay ou Valle Sagrado dos Incas, na região dos Andes. A nomenclatura, que em quéchua significa umbigo do mundo, se deve ao fato de que os incas acreditavam que Cusco era o centro do mundo. Dessa forma, era o núcleo administrativo-cultural mais importante do Tahuantinsuyu ou Império Inca.

 

O Peru é um país único e maravilhoso, dono de uma exuberante biodiversidade e extraordinária cultura. Cusco não é só o umbigo do mundo como o coração deste. Cusco e Machu Picchu foram descritos como os lugares mais misteriosos do planeta. Machu Picchu não é só um sítio arqueológico, pertence a um conceito maior, que só pode ser descoberto uma vez que se viva a experiência de estar dentro da cidade perdida dos incas.

 

Mística, mágica, cheia de lendas e mitos, Cusco - capital do Império Inca - é hoje uma das cidades mais visitadas da América do Sul, uma vez que é a porta de entrada para visitar o Sítio Arqueológico de Machu Picchu.

 

Como Chegar: Não há voos diretos entre o Brasil e a cidade, sendo necessário fazer conexão em Lima para chegar ao destino final. A boa notícia é que Cusco está a apenas uma hora de voo da capital peruana e há diversos voos para a cidade com empresas como LAN, Taca, Peruvian e StarPerú, evitando que o tempo gasto em aeroportos seja muito longo. Ao chegar a Lima, é preciso fazer o desembarque na área internacional do Aeroporto de Lima e, em seguida, fazer novamente o check-in e o despacho das malas na área doméstica para pegar o voo até Cusco.

 

Translado: O Aeroporto Internacional Alejandro Velasco Astete é um dos mais movimentados do Peru. É pequeno, não fica distante do centro da cidade e possui diversos quiosques de empresas turísticas. Para sair do aeroporto, a sugestão é utilizar os táxis - fique atento ao valor cobrado pelo taxista. No Peru não há taxímetro e o valor da corrida é acertado com o motorista antes de entrar no carro - no caso de um trajeto entre o aeroporto e o centro, 15 PEN é um valor razoável a pagar.

 

Moeda: A moeda local é o nuevo sol, simbolizado por PEN ou S/. Há muitas casas de câmbio da Plaza de Armas. Outra opção é sacar o dinheiro local diretamente nos caixas eletrônicos.

 

Onde Fiquei: Hospedei-me no Hostel The Point Cusco e no Pariwana Hostel. Indico e recomendo! Sugiro investir em um hotel próximo à Plaza de Armas, pois é onde tudo acontece.

 

Propina: É a gorjeta dos garçons e geralmente não está incluída na conta. Após realizar o pagamento é que você deixa a propina para o garçom. Valor: 10% da conta.

 

Melhor Época: Recomenda-se conhecer a cidade na época da seca, entre Abril e Outubro, considerado o inverno deles. Não é aconselhável ir no verão, especialmente entre Novembro e Março, período de baixa temporada. As fortes chuvas, além de atrapalhar os passeios, podem causar alagamentos e desabamentos - consequentemente o fechamento de rodovias e ferrovias, inclusive a linha de trem que leva a Machu Picchu. De Março a Maio é a meia temporada: já não chove tanto, a cidade não está tão cheia e os preços não são os mais altos. De Junho a Agosto é a alta temporada, os preços estarão mais altos e as atrações mais disputadas. Ao mesmo tempo é a estação seca. Os dias são sempre ensolarados e frios. A noite é bem fria, principalmente se você não está acostumado. No dia 24 de Junho, no solstício de inverno, é realizado o Inti Raymi, uma encenação do festival em homenagem ao Deus Sol. É uma boa época para a visita porque a cidade terá mais eventos. Setembro e Outubro é outro período de média estação, clima intermediário entre a chuva e a seca, preços médios e cidade com movimento normal.

 

Culinária: O Peru tem uma das melhores cozinhas da América Latina. É uma mistura de ameríndios e comida espanhola com fortes influências da culinária italiana, africana, chinesa, japonesa e árabe. Receitas como o Ceviche (peixe cru marinado em suco de limão), Pachamanca (carne e legumes cozidos), Chupe de Camarones (sopa de camarão), Pollo y Papa (frango e batatas-fritas) e Ají de Gallina (frango picante) são apenas alguns dos pratos servidos no Peru. Truta, Lomo Saltado (bife com arroz, batatas-fritas e legumes), Cuy a La Plancha (preá ou porquinho-da-índia na chapa), Alpaca a La Plancha são outras opções. Para beber, opte por uma cerveja Cusqueña gelada, um refrigerante Inca Kola, uma Chicha Morada (bebida feita com maiz morado - espécie de milho roxo - canela e limão) ou um clássico Pisco Sour (bebida feita de aguardente de uva com sumo de limão, açúcar, clara de ovo, angostura e gelo - tipo uma caipirinha peruana). Para mais informações sobre a culinária peruana, clique aqui.

 

Curiosidades: Os incas eram um povo politeísta que adoravam principalmente o Deus Sol e Pachamama. Para eles, existiam três níveis espirituais, o mundo de cima, conhecido como Hanan Pacha (o mundo dos espíritos), o mundo do meio, conhecido como Kay Pacha (o mundo dos homens) e o mundo de baixo, conhecido como Uku Pacha (o mundo dos mortos). Os incas criaram então a Trilogia Inca, representada pelo Cóndor, Puma e Serpente, animais muito sagrados, e cada um desses animais trabalhavam como guardiões dos mundos supracitados. O Condor (que representava a paz e é o mensageiro que carrega os espíritos mortos dessa vida para a vida dos deuses) era o guardião do mundo de cima, o Puma (que representava a força e o espírito de cada pessoa) era o guardião do mundo do meio e a Serpente (que representava a inteligência humana) era a guardiã do mundo de baixo. Várias cidades incas referenciavam esses animais: Cusco, por exemplo, foi construída no formato de um puma, onde a cabeça era a fortaleza de Sacsayhuamán e a praça central Haucaypatao era o peito do animal. Pisaq, por sua vez, foi construída no formato de condor e Ollantaytambo no formato de lhama.

 

Mais Curiosidades: Algumas casas de Cusco e de seus arredores têm no teto estátuas de cerâmica em forma de touros pequenos. Elas estão ao lado de uma cruz, de tigelas d’água e vasos com flores e são chamadas de “Toritos de Pucará”. É uma forma tradicional de proteger as casas e é um bom exemplo das muitas manifestações de sincretismo religioso que surgiram a partir da conquista espanhola. É uma mistura entre as tradições católicas e as nativas. O touro representa a felicidade, a riqueza, a força e a fertilidade, enquanto a cruz mantém as forças negativas e os espíritos malignos longe das casas das famílias. Simboliza a proteção familiar.

 

Outras Curiosidades: Na véspera do Ano Novo, as ruas de Cuzco cheiram a Palo Santo, uma madeira aromática utilizada como incenso pelos povos andinos para purificar e limpar o espírito. Contrariando a tradição brasileira de usar branco, no réveillon cusqueño o amarelo é usado para atrair boa sorte para o ano que está chegando. Conforme a noite vai caindo, a Plaza de Armas vai ficando cada vez mais cheia de turistas. O novo ano é recebido com queima de fogos e, além disso, os turistas seguem a tradição local: dar pelo menos 07 voltas na Plaza de Armas para trazer boa sorte e fortuna no ano novo Esse movimento é tão grande que parece que toda a praça está se movendo sozinha em círculos. Mas cuidado, pois, infelizmente, muitos batedores de carteira aproveitam esse momento para, literalmente, fazerem a festa. A celebração na praça dura quase a noite toda, mas na madrugada muita gente vai para os bares e casas noturnas da redondeza - muitas vezes, os preços são bem altos e podem ser cobrados em dólares. O Mama Africa Club é uma das baladas mais procuradas e caras nessa data. O Dia das Esposas, celebrado a cada dia 23 de Fevereiro, é uma estranha e revolucionária festa onde as mulheres se vingam por dezenas de vezes que seus maridos chegaram em casa bêbados durante o ano. Nesse dia, as esposas são autorizadas a beber até cair. Essa tradição veio da Espanha e foi herdada pelos índios Quéchua e Aymara, do Peru e da Bolívia. Inti Raymi, que em quéchua significa “Festa do Sol”, é um festival religioso incaico em homenagem a Inti, o Deus Sol. Marca o solstício de inverno do hemisfério sul nos Andes. O local de realização da cerimônia é a fortaleza de Sacsayhuamán, situada a 02 KM de Cusco, no dia 24 de Junho de cada ano. Três dias antes dessa data especial, a população se preparava: ficavam sem consumir carne, sem acender fogo na cidade e sem relações sexuais. Quando chegava o dia do Inti Raymi, os chefes de cada região de todo Tahuantinsuyo levavam uma oferenda ao Deus Sol e a festa se baseava em agradecê-lo pela colheita que tiveram e agradar e pedir ao Deus Sol para que tenham uma boa colheita no ano seguinte. Portanto, o Inti Raymi era praticamente um ano novo incaico. Os rituais que ocorriam no Inti Raymi diziam respeito apenas aos incas e aos homens que participavam da nobreza. O restante da população, os quéchuas, apenas olhavam de longe e os povoados realizavam festas paralelas também de celebração e adoração ao Deus Sol. A festa é rica culturalmente e famosa ao redor do mundo - a lista de personalidades que já presenciaram o evento conta com nomes como Bill Gates e Cameron Dias.

 

Noite: A vida noturna de Cusco ultrapassa o básico resto-bar que oferecem alguns destinos turísticos. Há bons pubs na cidade e até boates, para quem gosta de dançar. É claro que, depois de passar o dia conhecendo atrações arqueológicas, o cansaço vem e há quem prefira se dedicar apenas a um bom jantar. Aqueles que preferem algo mais agitado podem escolher as casas noturnas. Mythology e Ukuku's Bar são boas alternativas, porém a fama de melhor balada da cidade é do Mama Africa Club. Outras opções são: Groove Bar Club, Mushrooms Lounge Bar, Roswell, The Temple, KM 0 (jazz e rock ao vivo) e Wachuma (reggae ao vivo). O Paddy's Irish Pub é um bom lugar para visitar em Cusco. O lugar tem a aparência de um típico pub irlandês e fica perto da Plaza de Armas, com uma bonita vista da cidade. A dica é conhecê-lo durante a noite, pedir uma cerveja e algo para comer. O Museo del Pisco é outra alternativa espetacular.

 

Compras: Há inúmeras lojas interessantes espalhadas pelas ruas de Cusco. Não deixe de visitar o Centro Artesanal de Cusco - local que reúne um pouco de tudo aquilo que os turistas procuram. Localiza-se no fim da Avenida El Sol, próximo a uma fonte - Paccha Cusco. O horário de funcionamento é das 09h00min às 21h00min. Pechinche tudo, sempre.

 

Alerta: Cusco é bastante animada e possui boa infraestrutura hoteleira, restaurantes, bares, casas noturnas, agências de viagens, casas de câmbio e escritórios de companhias aéreas. Por outro lado, a presença maciça de estrangeiros atraiu também marginais, fazendo com que você tenha que andar de olhos bem abertos, evitando passear sozinho em horários tardios e em ruas desertas e tomando especial cuidado nos mercados e estações. Ao desembarcar com sua bagagem, pegue um táxi até o hotel.

 

Lembrete: É importante e imprescindível falar um pouco sobre o Mal da Altitude, também chamado de Soroche ou Puna. O Soroche é causado principalmente por conta da oxigenação reduzida no sangue e pode manifestar-se através de alguns sintomas como dor de cabeça, fadiga, náusea, tontura, falta de ar e coração palpitante. Então, em primeiro lugar, respeite o seu corpo e os seus limites. É fundamental que você descanse assim que chegar, isso quer dizer dormir por no mínimo 03 horas. Esse é o período de transição necessário para que seu corpo comece a se adaptar e não reclame nos dias seguintes. Não precisa ficar entocado no hotel, porém faça o mínimo de esforço possível, evitando passeios longos e que tenha que subir ou descer ladeiras. Tome bastante água, se mantendo sempre hidratado. Além disso, a alimentação deve ser o mais leve possível, evitando assim comidas pesadas e buscando uma dieta energética. Não dispense sucos, frutas e chocolates. Evite bebidas alcoólicas e cigarro. É aconselhável tomar o chá de coca em todas as situações, desde a chegada até a partida. A bebida é oferecida em vários locais, inclusive gratuitamente nos hotéis, para que os sintomas sejam amenizados. Outra opção é a bala de coca que, apesar de ter o mesmo efeito que o chá, demora mais para melhorar os sintomas. Se mesmo assim não estiver se sentindo bem, a sugestão é tomar umas cápsulas - Sorojchi Pills - que prometem alivio imediato contra o Mal de Altitude. Há também os pequenos sprays de oxigênio que podem ser comprados na farmácia com o nome de OxiShot. Não use medicação para dormir! Esses remédios causam diminuição da frequência respiratória e na altitude isso pode ocasionar até mesmo uma parada respiratória! Se estiver com dificuldades para dormir, tome um Diamox (125 ou 250mg) à noite, ele vai aumentar a frequência respiratória, propiciando uma melhor oxigenação noturna.

 

O Que Levar: Roupas confortáveis e sapatos mais confortáveis ainda. Independente da época do ano escolhida, não se esqueça de levar uma blusa de frio. A temperatura média na parte alta do Peru, como Cusco, costuma ser mais baixa que aqui no Brasil. Kit primeiros socorros, protetor solar e labial, hidratante, colírio para os olhos, soro fisiológico para o nariz, óculos escuros, chapéu, mochila e adaptador universal são recomendáveis.

 

Dica: Adquira o boleto turístico de acesso a diversos museus e sítios arqueológicos. Sai mais barato do que comprar as entradas separadamente. Os valores variam de 70 PEN para estudantes a  130 PEN para adultos. Crianças até 10 anos não pagam. Validade: 10 dias.

 

Nota: A cidade está situada a 3.400 metros de altitude - portanto cuidado com os exercícios físicos nos primeiros dias de visita. É normal sentir um pouco de falta de ar ou dificuldades respiratórias, cansaço, moleza e mal-estar. Hidrate-se bem.

 

Observação: Para tirar fotos com as mulheres vestidas com roupas típicas é necessário dar a famosa propina ou gorjeta. O preço não é fixo. Tenha sempre moedas no bolso para esses casos, se for do seu interesse, claro.

 

Importante: Beba bastante água!

 

Se preferir, veja o roteiro rápido ou as dicas gerais.

Machu Picchu

Cuzco: La Puerta de Entrada a Machu Picchu

Roteiro

 

 

Dia 01: Livre

 

Chegada e aclimatação. Respire, descanse e relaxe.

 

Dia 02: Sightseeing Bus + Walking Tour

 

Para começar o turismo em Cusco, dê uma volta com o ônibus turístico da cidade - Sightseeing Bus ou Cusco Bus Panorâmico. Assim, terá uma visão geral do lugar onde irá permanecer nos próximos dias. A parada que eu considero mais importante é a do Cristo Blanco, por ser uma atração distante do centro, então aproveite para descer, fazer belas fotos e admirar a esplêndida vista panorâmica cusqueña.

Dia 03: Valle Sul

 

O passeio começa em Andahuaylillas, uma pequena cidade famosa por sua igreja que é conhecida como a Capela Sistina da América.

 

Depois, visita-se Pikillacta, um sítio arqueológico bem preservado do período Wari, uma cultura pré-inca.

 

Segue-se a Tipón, um templo localizado a leste de Cusco. Tipón também é a cidade do Cuy ou porquinho-da-índia, uma iguaria local. O almoço poderá ser no local ou em Cusco.

 

Após o almoço, a parada é em Sacsayhuamán (pronúncia: sexy woman), uma fortaleza inca, hoje em ruínas, localizada a 02 KM ao norte da cidade de Cusco. As muralhas, que possuem mais de 300 metros cada uma e até 5 metros de altura, são superpostas e construídas em zigue-zague, como uma característica de defesa, pois um invasor que tentasse escalar uma delas deixava as suas costas desprotegidas pelos ângulos da construção. Algumas dessas rochas chegam a pesar até 350 toneladas. Em frente à fortaleza existe uma grande praça que era usada para cerimônias religiosas e militares. Toda a população de Cusco poderia viver dentro da fortaleza, na hipótese da cidade ser atacada por inimigos. Em 1536 os espanhóis venceram os incas  e ocuparam Cusco e a fortaleza. Depois disso transformaram Sacsayhuamán em uma pedreira e destruíram boa parte da sua estrutura, sobretudo as pedras menores que foram usadas nas construções coloniais das igrejas e mansões da nova cidade sobre domínio da Espanha.

Dia 05: Águas Calientes

 

Águas Calientes ou Machu Picchu Pueblo é o portal para Machu Picchu. O vilarejo é bem pequeno e foi construído basicamente para abrigar os turistas que pretendem descobrir os encantos de Machu Picchu.

 

Sendo assim, não espere encontrar uma infraestrutura elaborada. É tudo muito simples, mas atende bem às necessidades dos turistas que vão pernoitar ali. As ruas que beiram a linha de trem e o Rio Urubamba são cercadas de lojinhas de souvenirs e restaurantes.

 

Eu simplesmente AMEI a vila. A imagem que eu tinha de Cusco eu encontrei exatamente em Águas Calientes. Um lugar simples, pequeno, tranquilo e cativante.

Dia 15: Lima - Brasil

 

Escolha um voo à noite e aproveite o dia para passear um pouco pela capital peruana.

Qucharitas: Uma sorveteria charmosa e deliciosa. O sorvete é fresco, feito na hora, com possibilidade de adicionar frutas e recheios. Imperdível. Servem também bolos, cafés, crepes e sanduíches. Direção: Procuradores, 385 | San Francisco, 148 – Cusco.

 

Pachapapa: Restaurante que ocupa o interior de uma típica construção colonial, com seu pátio interno. Bom atendimento, comida bem preparada e com um inesperado forno a lenha. É o local mais típico para comer o Cuy ou porquinho-da-índia. É recomendável fazer reserva. Está situado na Plazoleta San Blas, 120, Cusco.

 

Paddy’s Irish Pub: Ideal para tomar umas cervejas à noite. Localizado na Calle Triunfo, 124, Plaza de Armas, Cusco.

 

Papacho’s: Também do famoso Gaston Acurio. Oferece ótimos sanduíches com hambúrgueres bem inusitados, como o de carne de alpaca e lomo saltado. Os molhos são deliciosos. Direção: Portal de Belen 115 Plaza de Armas, Cusco.

 

Pirqa Restaurant: Restaurante peruano-internacional de luxo localizado dentro do hotel JW Marriot Cusco. A atmosfera é perfeita para um jantar especial na cidade cusqueña. Está situado na Esquina de La Calle Ruinas 432 y San Agustin, JW Marriott El Convento, Cusco.

 

Pisco Carajo: Muito bem recomendado para tomar alguns drinks à noite. Localizado na Calle Plateros, 326, 2º Piso, Cusco.

 

Seledonia’s Mesa: Possui ótimas avaliações no TripAdvisor. Vale muito a pena conhecer. Direção: Calle Chihuampata, 564, Cusco.

 

Sepia Club Café: Uma excelente pedida em Cusco com ótimo custo-benefício. Cozinha peruana, italiana, vegetariana e sul-americana. Está situado na Calle Zetas, 390, Cusco.

 

Siete & Siete: Um café quente e uma vista fantástica. Localizado na Calle Tandapata, 260, Cusco.

 

The Meeting Place: No lugar só trabalham voluntários e o lucro é revertido para projetos sociais em Cusco. O lugar é aconchegante e o café é muito saboroso. Os waffles também são muito famosos. Vale a visita! Direção: Plazoleta San Blas, 630, Cusco.

 

Uchu Peruvian Steakhouse: Muito bem recomendado no TripAdvisor. Dizem que é um dos melhores restaurantes de Cusco. Soube que o ceviche e a carne de alpaca são espetaculares. Para sobremesa, a indicação é o Chocolate Madness. Está situado na Calle Palacio, 135, Cusco.

 

Ukuku’s Bar: O melhor bar de Cusco. Localizado na Calle Plateros, 316, Cusco.

Cristo Blanco: Cusco, conhecida como a capital do Império Inca, foi presenteada pela colônia palestina com a estátua do Cristo Branco. A obra foi uma iniciativa dos palestinos Manuel Jasaui Facuse e de seu irmão, Federico Jasaui Facuse, e recebeu o apoio de outros membros da colônia árabe. Os irmãos eram comerciantes de seda e tiveram muito sucesso em seu negócio. Para agradecer à cidade de Cusco por seu êxito, antes de deixá-la, decidiram construir a estátua, uma cópia do Cristo Redentor carioca. A estátua foi erguida em 1945 pelo escultor cusqueño Ernesto Olazo Allende e está localizada na região de Sacsayhuamán, rodeada de ruínas. Com oito metros de altura, foi construída em granito e coberta com gesso e mármore.  Entre os anos de 1973 e 1974, foram colocadas redes ao redor da estátua para sua proteção e, dessa forma, ela se conserva até hoje.

Não tenha pressa, qualquer coisa, deixe o ônibus partir e espere o próximo.

 

Duração: 1h30min / Valor: 20 PEN

À tarde, faça o Walking Tour para conhecer melhor a cidade cusqueña. Faça por conta própria ou com o guia Marco Antonio - partindo da Plaza de Armas, às 12h15min, de Segunda a Sábado, faça chuva ou faça sol.

 

Plaza de Armas: É o marco de todo o Centro Histórico e concentra as construções mais impactantes de Cusco e os principais serviços voltados para o visitante, como casas de câmbio, restaurantes e agências de turismo. Ali o colonizador espanhol Francisco Pizarro declarou a conquista da cidade, e o lugar era considerado um importante setor cerimonial.

Partindo da Plaza de Armas, pegue a Calle del Medio (lado oposto da Catedral de Cusco), e vire à esquerda na Calle Espinar, depois à esquerda novamente na Calle Mantas. Siga reto, passando pela lateral da Plaza de Armas, novamente, e da Catedral de Cusco, na Calle Triunfo.

 

Catedral de Cusco: A construção dessa igreja imponente localizada na praça mais popular de Cusco levou mais de 100 anos para ser concluída. Sua arquitetura híbrida, que mescla os estilos gótico-renascentista e barroco, faz do local um dos mais belos e impressionantes cartões-postais do destino. Os destaques são seu acervo de pinturas realizadas durante a chamada Escola Cusqueña e objetos de prata. Repare nos detalhes incas dos trabalhos que foram realizados  por mão de obra indígena. Horário de Funcionamento: Segunda a Sábado das 10h00min às 18h00min e Domingos das 14h00min às 18h00min / Valor: 25 PEN.

Vire à direita na Calle Herrajes, e, em seguida, à esquerda em uma ruela com formato de L. Quando fizer a curva para a base do L, haverá uma lojinha de souvenirs no meio do caminho, chamada Artesanias Asunta. Preste atenção nos postais à venda, pois tem uns que são figuras de animais (como puma e serpente) formadas pela junção de pedras. E são justamente as pedras de onde você se encontra nesse momento. Pegue os postais e tente achar os animais ilustrados na parede à sua frente. É uma busca interessante!

Após percorrer a ruela por completo, vire à esquerda e caminhe até a metade do quarteirão da Calle Hatunrumiyoc, onde estará localizada a famosa pedra de 12 ângulos. Tire fotos e dê meia volta.

 

Calle Hatunrumiyoc: A rua tem o nome da famosa pedra de 12 ângulos, que fica na muralha do Palácio do Imperador Roca. A pedra de 12 ângulos de Cusco é um dos maiores atrativos de Cusco, assim como seus muros de pedras incas. Boa parte da cidade é formada de muros incas abaixo das construções espanholas. Muito do charme da cidade vem dessas construções. Os incas trabalhavam com as pedras de maneira impressionante, com cada uma delas sendo cortada em diversos ângulos diferentes, e ainda assim conseguindo encaixes perfeitos umas com as outras, e sem nenhum tipo de argamassa. Essas construções foram tão bem feitas que permaneceram firmes por mais de 500 anos, enfrentando inclusive terremotos. Apesar dos diversos estudos, até hoje não se sabe exatamente qual a técnica utilizada pelo povo inca para cortar essas pedras. Em volta de todo esse mistério é que a famosa pedra de 12 ângulos ganha seu destaque. Com todos os seus 12 ângulos se encaixando perfeitamente com as outras pedras, ela representa ao máximo a perfeição da técnica inca. E por isso virou uma das principais atrações de Cusco.

Continue subindo. Logo avistará o Jack’s Café, na esquina à esquerda, um café-bar muito famoso, com comidas maraviliciosas. Se estiver com fome, a visita é mais que recomendada. Achei pouco uma vez, então fui duas vezes, comi um sanduíche maravilhoso e tomei um milk-shake delicioso.

 

Passe pela Calle Cuesta de San Blas, vire à direita, siga na Calle Carmen Bajo e chegue em uma charmosa pracinha, a Plazoleta San Blas. Atravesse-a, vire à esquerda e siga na Calle Tandapata. Quando passar o Bar KM 0, vire à direita, na Calle Pasnapakana e suba uma escadaria. Na metade da subida haverá um bar com uma vista incrível, o Limbo RestoBar. Vale a pena dar uma parada, tomar um delicioso pisco sour e apreciar a magnífica vista por um instante.

 

San Blas: Bairro artístico e um dos locais mais charmosos de Cusco.

Termine de subir a escadaria e vire à esquerda. Contemple ainda mais a vista do mirante ali existente. Pare, observe, admire, viva, respire, agradeça.

 

Continue à esquerda pela Calle Kiskapata, vire à primeira esquerda, na Calle 7 Angelitos, e comece a descer. Atravesse a Calle Tandapata, em seguida, a Calle Carmen Alto. Passe pela Calle Qanchi Pata. Atravesse a Calle Choquechaca. Passe pela estreita Calle Siete Culebras. Atravesse a Plazoleta Las Nazarenas e siga pela Calle Cuesta del Almirante, até chegar novamente à Plaza de Armas.

 

À noite, não deixe de conhecer o Museo del Pisco, na Calle Santa Catalina. Em seguida, visite o Norton Pub, Calle Triunfo, e depois o Irish Pub, na Plaza de Armas. Finalize no Ukuku’s Bar, o melhor bar de Cusco, situado na Calle Plateros. Divirta-se!

Continua-se viagem para outras ruínas próximas como Q’enqo, Pukapukara, e, finalmente, Tambomachay.

 

Q’enqo era um templo espiritual cravado numa caverna e utilizado como um importante sítio de cerimônias e rituais. Também era um local utilizado para cerimônias de fertilidade, para celebração da água e da terra e para celebrações de solstícios e equinócios. Lá existe um templo em homenagem a Pachamama, a Deusa Terra, a mais adorada pelos incas. Não bastasse tudo isso, Q’enqo ainda era um templo de observação astronômica. Ao chegar lá, não deixe de assoprar uma folha de coca três vezes e fazer um pedido em homenagem à Trilogia Inca - Condor, Puma e Serpente.

 

Pukapukara era uma espécie de posto de controle sobre a entrada e saída das pessoas de Cusco.

 

Tambomachay é considerado o templo das águas. Nessas ruínas é possível perceber toda a tecnologia hidráulica desenvolvida pelos Incas. A água ainda flui por um sofisticado sistema de aquedutos e canais no pequeno complexo de terraços e piscinas construídos por ali. As águas que jorram em Tambomachay são canalizadas de um lago a 25 KM dali.

 

Porteriomente, retorna-se à cidade. Em Cusco, vale conhecer os Templos de Qorikancha, que hoje estão integrados à Igreja e Convento de Santo Domingo. Esse Templo Sol tinha uma importância equivalente à que tem o Vaticano atualmente e, se hoje é dito que todos os caminhos levam a Roma, antigamente seria que todos os caminhos conduzem a Qorikancha.

 

Qorikancha foi um dos lugares mais impressionantes que os Espanhóis encontraram em Cusco. Foi construído em homenagem ao Deus Sol e foi o templo mais rico dos incas. Suas paredes eram totalmente revestidas de ouro e pedras preciosas. No grande jardim em frente ao templo existiam estátuas de ouro e prata em tamanho natural.

 

Os espanhóis se encantaram com Qorikancha, retiraram todo o ouro e a prata logo após a conquista da cidade. Fundiram tudo ali na frente e transformaram em barras que eram enviadas para a Europa.

 

A Igreja e o Convento de Santo Domingo foram construídos sobre os muros de Qorikancha. Os terremotos que destruíram o Convento e a Igreja preservaram os muros incas de Qorikancha, que construídos de forma inclinada e trapezoidal, eram feitos à prova de terremoto.

Agências: Muitas realizam o passeio. Recomendo a Inti Sun Trek.

 

Duração: 07h00min às 19h00min.

 

Valor: Entre 40 USD e 100 USD + 15 PEN Ingresso Andahuaylillas + 10 PEN Ingresso Qorikancha - Não estão inclusos no Boleto Turístico.

 

Alerta: Não se esquecer de levar água (1L) e lanche, por exemplo: sanduíche, fruta, barra de cereal, chocolate etc.

 

Lembrete: Usar roupas leves e sapatos confortáveis. Ao longo do passeio, você deverá fazer pequenas caminhadas e poderá sentir calor, mas não deixe de levar uma blusa de frio, pois quando o sol se põe a temperatura cai um pouco. Protetor solar, labial, chapéu e óculos escuros são recomendáveis.

Dia 04: Valle Sagrado dos Incas + Moray + Salineiras de Maras

 

O tradicional passeio pelo Vale Sagrado compreende as cidades de PisaqOllantaytambo Chinchero. A maioria dos passeios é em grupo, e, logicamente, existe a opção de contratar um tour privado - mais caro, porém uma ótima opção por incluir Moray e Salineiras de Maras.

 

A caminho do Valle Sagrado dos Incas, às margens do Rio Urubamba e Rio Vilcanota, tem-se uma das mais bonitas paisagens desde Pisaq a Ollantaytambo. Essa sempre foi a mais importante região agrícola do Império Inca por sua localização e clima, e, ainda hoje, este grande celeiro produz todos os cereais, que alimenta toda região de Cusco. O principal cultivo é o choclo, uma espécie de milho branco e grande, além das batatas de diversos tipos de cores, que formam a base da gastronomia de muitos dos bons restaurantes encontrados na região.

 

O Valle Sagrado além das maravilhosas paisagens, dos rios volumosos que nascem do degelo das montanhas, é formado por diversos e monumentais sítios arqueológicos, que marcam a era incaica.

 

A primeira parada é em Chinchero, um pequeno vilarejo com uma bela vista para o Valle Sagrado, conhecido pelo seu vasto mercado nativo na confecção de artesanato.

A viagem continua até Moray, a fim de ver os fascinantes sítios de cultivo utilizado pelos incas para experimentos agrícolas e cultivo de sementes.

 

Em seguida, faz-se uma visita às Salineiras de Maras, um dos lugares mais incríveis de todo mundo. O local é composto por mais de três mil salinas e tem mais de dois milênios de existência. Mesmo depois de tantos anos, o local continua sendo fonte de renda de muitas famílias que vivem na região e retiram o sal para venda, utilizando técnicas antigas.

 

A parada seguinte é em Ollantaytambo, um gigantesco complexo arqueológico, religioso, administrativo, militar e agrícola, construído estrategicamente para controlar  todo o Valle Sagrado dos Incas.

 

Continua-se a jornada até Urubamba, o coração do Valle Sagrado, onde será servido o almoço. Você poderá se deliciar com a famosa culinária peruana: lomo salteado, filé de alpaca, ají de galinha, sopa de quinoa.

 

Após o almoço, segue-se até o Mercado de Artesanato de Pisaq - onde haverá tempo livre para passear e fazer compras – e, posteriormente, as ruínas de Pisaq.

 

Ao terminar o passeio pelo sitio arqueológico regressa-se a Cusco.

Agências: Muitas realizam o passeio. Recomendo a Inti Sun Trek.

 

Duração: 07h00min às 19h00min.

 

Valor: Entre 40 USD e 100 USD + 10 PEN Ingresso Maras - Não está incluso no Boleto Turístico.

 

Alerta: Não se esquecer de levar água (1L) e lanche, por exemplo: sanduíche, fruta, barra de cereal, chocolate etc.

 

Lembrete: Usar roupas leves e sapatos confortáveis. Ao longo do passeio, você deverá fazer pequenas caminhadas e poderá sentir calor, mas não deixe de levar uma blusa de frio, pois quando o sol se põe a temperatura cai um pouco. Protetor solar, labial, chapéu e óculos escuros são recomendáveis.

 

Dica: Se possível, reserve esse passeio para o Domingo, quando os mercados artesanais estarão funcionando a todo vapor nas cidades visitadas.

Como chegar: A opção mais popular, prática e rápida é com o trem operado pela PeruRail ou pela IncaRail. Cada empresa oferece três opções de trem todos os dias entre Cusco e Águas Calientes, com distintas categorias e preços. Por menos de 150 USD é possível fazer a viagem de ida e volta em um vagão confortável, com várias janelas para observar as lindas paisagens. A viagem dura entre três e quatro horas. Os mais corajosos e aventureiros escolhem ir andando pela Trilha Inca, uma das rotas de trekking mais famosas do mundo, muito admirada pelos amantes da natureza. São, no mínimo, 42 KM percorridos em dois ou quatro dias.

Dica: Saia de Cusco pela manhã e almoce em Águas Calientes. Depois descanse, passeie, relaxe, jante, curta e aproveite. Reserve o dia seguinte para conhecer Machu Picchu e, em seguida, retornar a Cusco.

 

Lembrete: O Mercado de Artesanato de Cusco é mais barato que o de Águas Calientes.

Onde Fiquei: Hospedei-me no Supertramp Hostel. Indico e recomendo!

 

Restaurantes: Clique aqui.

Dia 06: Machu Picchu

 

Machu Picchu é simplesmente a atração número um do Peru e talvez da própria América Andina. Tanta popularidade levou Machu Picchu - uma das novas sete maravilhas do mundo - a sofrer com o turismo desenfreado e alguns dos preços mais altos do país. Mesmo assim, hordas de turistas desembarcam sem parar nessa cidade perdida dos incas, seja pela clássica Trilha Inca ou por trens vindos de Cusco.

 

E motivos não faltam para tamanha determinação. Machu Picchu, que em língua quéchua significa montanha velha, está localizada sobre uma montanha de granito e abriga impressionantes construções erguidas com pesados blocos de rocha. Cercado de enigmas a respeito de sua criação e serventia, o local, declarado pela Unesco como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade, está a 112 KM de Cusco e 2.400 metros acima do nível do mar. A infraestrutura completa se encontra nas cidades vizinhas de Águas Calientes e Cusco.

 

Foi construída no século XV, sob as ordens de Pachacútec. O local é, provavelmente, o símbolo mais típico do Império Inca, quer devido a sua original localização e características geológicas, quer devido a sua descoberta tardia em 1911. Apenas cerca de 30% da cidade é de construção original, o restante foi reconstruído. As áreas reconstruídas são facilmente reconhecidas, pelo encaixe entre as pedras. A construção original é formada por pedras maiores, e com encaixes com pouco espaço entre as rochas.

Consta de duas grandes áreas: a agrícola formada principalmente por terraços e recintos de armazenagem de alimentos; e a urbana, na qual se destaca a zona sagrada com templos, praças e mausoléus reais.

 

A disposição dos prédios, a excelência do trabalho e o grande número de terraços para agricultura são impressionantes, destacando a grande capacidade daquela sociedade. No meio das montanhas, os templos, casas e cemitérios estão distribuídos de maneira organizada, abrindo ruas e aproveitando o espaço com escadarias. Segundo a história inca, tudo planejado para a passagem do Deus Sol.

 

Em meio a tantas especulações, uma certeza: a cidade era um lugar sagrado, onde somente o inca, a nobreza, os sacerdotes e as mulheres escolhidas podiam entrar.

 

Para muitos, essa é a viagem de uma vida.

Como Chegar: O translado é feito em um micro-ônibus, leva cerca de 30 minutos e custa em torno de 25 USD ida e volta. Quem faz a Trilha Inca não tem necessidade de pegar o ônibus, já que o fim da trilha é diretamente em Machu Picchu.

 

Lembrete: Não é necessário passaporte para viajar ao Peru, mas se você for compulsivo por carimbos, que nem eu, não perca a oportunidade de levar como lembrança um carimbo de Machu Picchu.

 

Melhor Época: Em Cusco, há duas estações, a seca (Abril a Outubro) e a chuvosa (Novembro a Março). Já para visitar Machu Picchu o ideal é planejar a viagem para Abril, Maio, Junho, Setembro e Outubro. Os meses de Julho e Agosto recebem mais turistas. Se houver chuva, principalmente de Dezembro a Fevereiro, as trilhas podem ficar fechadas.

Alerta: Devido à rápida degradação do sítio, o governo peruano vem limitando o número de visitantes ao local. Para quem viaja com agências, elas providenciarão a reserva para ingresso às ruínas, mas os independentes o deverão fazê-lo com antecedência.

 

Dica: Aproveite a viagem para conhecer as montanhas que fazem parte do parque de Machu Picchu. A mais famosa é a Huayna Picchu, que oferece vista panorâmica da cidade inca e está mais próxima de Águas Calientes. O visual fantástico compensa o esforço da subida. O trajeto dura em torno de 02h00min. Já a montanha Machu Picchu é mais alta e exige cerca de 02h30min de caminhada.

 

Bilhete: O acesso limitado é uma das principais causas de muitas pessoas não visitarem Machu Picchu, embora visitem Cusco. Por isso, recomenda-se aos viajantes que se previnam comprando o Ingresso Machu Picchu antecipadamente. As opções são para visitar apenas Machu Picchu - 2.500 pessoas por dia - ou Macchu Picchu com Huayna Picchu Grupo 1 - 200 pessoas por dia - ou Machu Picchu com Huayna Picchu Grupo 2 - 200 pessoas por dia - ou Machu Picchu com Montanha - 400 pessoas por dia. Os valores variam de 62 USD a 71 USD.

Dia 07: Rafting e Tirolesa

 

Um dia de Rafting em Chuquicahuana é melhor forma de fazer uma atividade extra em Cusco.

 

Agências: Muitas realizam o passeio. Recomendo a Inti Sun Trek.

 

Duração: 09h00min às 18h00min.

 

Valor: 60 USD.

 

Alerta: Não se esquecer de levar água (1L) e lanche, por exemplo: sanduíche, fruta, barra de cereal, chocolate etc.

 

Lembrete: Use roupa de banho e leve uma roupa extra para trocar em seguida. Protetor solar, labial, toalha, chinelo e calçado à prova d’água são recomendáveis.

Dias 08 a 14: Cusco - Lima

 

Recomendo fazer o trajeto Cusco - Lima de ônibus, com a Peru Hop.

 

O percurso é longo, entretanto o interessante é parar em cada cidade para conhecer os atrativos locais. As paradas são em Puno (Lake Titicaca and Floating Islands), Arequipa (Colca Canyon Tours and Treks), Nazca (Viewing Tower and Lines Flights), Huacachina (Dune Buggy and Sandboarding), Paracas (Ballestas Islands - Penguins and Sealions), Chincha (Slaves Tunnels) e, por fim, Lima.

 

Não tenho dúvidas que todos esses lugares são espetaculares... Mas, dentre eles, o meu sonho é conhecer Huacachina, um autêntico oásis escondido entre as dunas estéreis do Deserto do Atacama - o mais árido do mundo e que possui inúmeras paisagens cênicas. Não deixe de subir até o topo de uma de suas dunas, esculpidas pelo vento, para presenciar o magistral pôr do sol. É nessa hora que o céu fica avermelhado e o deserto assume um dourado marcante. Huacachina é o único oásis natural que ainda existe no continente americano. A área foi declarada Patrimônio Cultural Nacional e a expectativa é que sua paisagem permaneça real, e não somente mais uma miragem no deserto.

 

Investimento: 189 USD Peru Hop / Não inclui hospedagens, refeições ou passeios.

Bares / Cafés / Restaurantes em Cusco

 

Aldea Yanapay: O lugar é aconchegante, a decoração é alegre e a comida é boa. Localizado na Calle Ruinas, 415, Cusco.

 

Blu Lime Seafood House: Ambiente maravilhoso, atendimento impecável, comida divina. Ótimas recomendações. Dureção: Calle San Bernardo, 188, Cusco.

 

Café Morena Peruvian Kitchen: Conquistou o primeiro lugar no TripAdvisor. Local agradável e charmoso. Comida maravilhosa e ótimo atendimento. Está situado na Calle Plateros, 348-B, Cusco.

 

Casa Qorikancha: Localização privilegiada, ambiente encantador e comida deliciosa. Localizado na Calle Zetas, 109, 2º piso, Cusco.

 

Chicha: Um restaurante espetacular - do famoso Gaston Acurio. Direção: Calle Plaza Regocijo, 261, 2º piso, Cusco.

 

Cicciolina: Considerado um dos melhores restaurantes da cidade. Decoração, atendimento, comida, tudo impecável. É muito animado à noite, mas atenção, pois sua cozinha fecha cedo e é necessário fazer reserva. Calle Triunfo, 393, 2º Piso, Cusco.

Divina Comédia: Um restaurante diferente, romântico e bem sugerido. Às Quartas e Sextas há música lírica ao vivo. Está situado na Pumacurco, 406, Cusco.

 

El Tabuco: Em terceiro lugar, esse restaurante é indicado para comer massas, pizzas, lasanhas ou sanduíches. Localizado na Calle Meloc, 479, Cusco.

 

Fuego, Burgers and Barbecue Restaurant: Bom atendimento, preço honesto, comida gostosa e charmosas mesas na sacada. Ótimos hambúrgueres e cervejas artesanais! Direção: Calle Plateros, 358-A, 2º Piso, Cusco.

 

Green Point: Lugar despretensioso com atendimento lento. Mas tudo compensa quando experimentar a primeira garfada. A comida é maravilhosa e de tempero único. Indicado também para quem não é vegano. Está situado na Calle Carmen Bajo, 235, Cusco.

 

Greens Organic: Ambiente agradável, ótimo atendimento e comida orgânica diferenciada. Vale a visita. Localizado na Calle Santa Catalina Angosta, 135, Cusco.

 

Incanto: Apenas mais uma opção na cidade cusqueña. Direção: Calle Santa Catalina Angosta, 135, Cusco.

Inka Grill: Boa comida e local agradável. Está situado na Portal de Panes, 115, Cusco.

 

Jack’s Café: Um café-bar muito famoso, com comidas maraviliciosas. Se estiver com fome, a visita é mais que recomendada. Os sanduíches são maravilhosos e os milk-shakes deliciosos. O café da manhã é tipo americano com waffle, panqueca, ovo, lingüiça, bacon etc. Localizado na Choquechaka, 509, Cusco.

 

Kusikuy: Ótima oportunidade para conhecer a culinária típica. Guacamole saborosa. Pisco sour preparado com requinte. Alpaca com risoto de quinoa e Cuy al horno surpreendem pelos sabores marcantes. Excelente atendimento. Experiência fantástica. Não aceita cartão. Direção: Amargura, 140, Cusco.

 

La Bodega 138: Um lugar aconchegante com decoração moderna. O atendimento é ótimo, o preço é justo e a pizza muito saborosa. Rápido e prático. Herrajes, 138, Cusco.

Le Soleil: Está em segundo lugar no TripAdvisor. Restaurante francês, no estilo gourmet, fino e sofisticado. Atendimento impecável e personalizado. Preço elevado. Está situado na Calle San Agustin, 275, Cusco.

 

Limbo RestoBar: A vista é simplesmente um espetáculo! Ideal para tomar um pisco sour ou uma cusqueña gelada enquanto assiste o sol se pôr. Localizado na Pasnapakana, 133, Cusco.

 

LIMO Cocina Peruana & Pisco Bar: Localização excelente, ao lado da Catedral de Cusco, na Praça de Armas. Comida e atendimento perfeitos. Direção: Portal de Carnes 236, 2º piso, Plaza de Armas, Cusco.

 

Marcelo Batata: Lugar fenomenal. O carro chefe da casa é a alpaca. De entrada as cascas de batata crocante recheada com queijo e bacon são bem recomendadas. Vale a pena visitar o deck superior para ter uma bela vista da cidade. Está situado na Calle Palacio, 121, Cusco.

 

MAP Café: Um dos melhores restaurantes de Cusco. Excelente localização, ambiente agradável, ótimo atendimento e comida típica fantática. Um lugar especial para jantar. Localizado na Plazoleta Nazarenas, 231, Museo de Arte Precolombino, Cusco.

 

Museo del Pisco: Altamente recomendado. Famoso pelos diversos drinks à base de pisco. Ideal para drinks e tapas. Direção: Calle Santa Catalina, 398, Cusco.

 

Norton Pub: Pub bem amigável com cervejas e petiscos tradicionais do Peru. Está situado na Calle Santa Catalina Angosta, 116, Cusco.

 

Nuna Raymi: Classificado como um restaurante espetacular, surpreendente e imperdível. Localizado na Calle Triunfo, 356, 2º Piso.

Perú
Cusco
Sacsayhuamán
Qorikancha
Salineiras de Maras
Cusco
Cusco

Espero que tenham gostado... Boa viagem e até a próxima!

Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Águas Calientes
Águas Calientes
Águas Calientes

Nota: Os Baños Termales de Águas Calientes são imperdíveis! Valor: 10 PEN.

Águas Calientes
Águas Calientes
Machu Picchu
Machu Picchu
Machu Picchu
Machu Picchu

Nota: Dentro do parque não há lanchonetes nem banheiros.

 

Observação: Na entrada de Machu Picchu as coisas são muito caras. Abasteça-se de água e lanches (sanduíche, fruta, barra de cereal, chocolate, entre outros) antes de subir. Leve também protetor solar, labial, repelente, chapéu, óculos escuros e casaco impermeável - em caso de chuva.

 

Sugestão: Machu Picchu é a cereja do bolo, assim deixe-o por último.

 

Curiosidades: Clique aqui.

Machu Picchu
Cusco
Cusco
Cusco
Cusco
Machu Picchu